Grupo W2B, Internet para Negócios

Assumir que seu e-commerce precisa estar disponíveis em smartphones e tablets é uma grande evolução para o seu negócio

03/11/2014

Assumir que seu e-commerce precisa estar disponíveis em smartphones e tablets é uma grande evolução para o seu negócio

 Assumir que seu e-commerce precisa estar disponíveis em smartphones e tablets é uma grande evolução para o seu negócio
Por Erick Melo

As compras realizadas por mobile commerce no Brasil estão crescendo cada vez mais. Mesmo com problemas como a demora de implantação do 4G, acessos precários e a conectividade Wi-fi em muitas regiões do país. Em Janeiro de 2013, as transações feitas por dispositivos móveis representam 2,5% das vendas online por aqui e nos final deste mesmo ano esse número saltou para 4,8% segundo informações do e-bit.

A tendência é que esse número cresça exponencialmente nos próximos anos. Como gestor de e-commerce, o que você deve fazer? Nos últimos dois anos a maior parte das lojas apostou na tecnologia responsiva, com um design que se adapta automaticamente a diversos tamanhos de tela. Isso ajudou a aumentar o acesso via mobile. Foi uma opção que se popularizou por conta de seu investimento mais acessível e pela exigência de contar com uma loja multiplataforma.

De fato, o responsivo é a solução mais rápida e econômica, mas é preciso estudar qual melhor forma de apresentar o conteúdo do seu site de e-commerce ao cliente. Algumas dicas incluem dar foco a apenas algumas áreas de navegação, oferecer usabilidade ao usuário e escolher quais destaques serão mostrados. Por esse motivo, muitos designers começam pela criação para essas plataformas, no formato mobile-first. É mais fácil acrescentar informações depois, do que retirar. Outra opção é criar uma versão da sua loja virtual exclusiva para o mobile e ter funcionalidades específicas para navegação em dispositivos móveis. Não há adaptações como no responsivo. Já o desenvolvimento de um aplicativo pode ser um passo a mais na relação com consumidor, porque você consegue atingir níveis mais altos de interação com o usuário. Lojas mobile ficam limitadas ao navegador do aparelho. Enquanto apps podem aproveitar os sistemas de notificações e a velocidade de carregamento das páginas são maiores.

Mas tudo tem prós e contras. No caso do aplicativo, deve-se levar em conta o desenvolvimento para cada sistema e celular específico, o que eleva os custos. Independente de números e opções, o importante é atender o seu consumidor em qualquer lugar. Por isso, investir em tendências do mercado, como o segmento mobile, é de extrema importância. Lembre-se: é sempre melhor olhar pelo retrovisor em vez de perseguir alguém.